terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Fogueira corporal


Chamei-te...
A perícia do tempo a esvoaçar
Tocou-me o rosto levemente
Como se quisesse levar
Aquilo que me deixa ausente.

Ouvi-te...
Aquele murmúrio rasgado
Ecoou alma acima
E fez-se barco ancorado
Nesta fogueira que é rima.

Senti-te...
Afáveis desejos encarnados
Realçaram a liberdade
De dois corpos apaixonados
Que se deram com vontade.


7 comentários:

poematar disse...

Gostei. Sensualidade e alma. Bom novo ano com muita saúde e alegria.

J.A. disse...

Bela forma de começar o ano. Muito fogo, Natália. Um beijo,

Joana

LORENZO MONSANTO disse...

Bonitas Palavras...

Tentativas Poemáticas disse...

Olá querida Natália
Andei afastado por motivos de saúde mas já está tudo bem. Desejo que esteja tudo bem consigo. Ando nas visitinhas aos blogues das pessoas que mais estimo.
Beijinhos
António

Ricky Bar disse...

Eu lobo, uivo minha luxúria
Sobre a mulher que desejo.
Tuas ancas arqueiam-se,
Em dança alucinada,
Sobre teu lobo que te possui,
Mordo-lhe a nuca em controlada fúria.
Assim a tenho, assim a possuo,
Prisioneira em noite de luar
Vagando em busca dos sonhos.
Clamo, gemo, uivo, mordo...
Vejo-a desejando-me, com loucura
Desejando se entregar,
Nas tuas entranhas, minha pele
Meu corpo nu em brasas,
Que queima tua sede de loucura!

Lina Agrela disse...

Simplesmente lindo...adorei a sua visita no meu blog e por essa razão vim aqui manifestar o meu contentamento e li o que tinhas escrito...muitos giro...terei muito prazer em te ter num dos cursos da preparação...aqui fica o meu e-mail para posterior contacto lina342@gmail.com

O mar me encanta completamente... disse...

Lindo, querida!
Teu blog também é um lugar aconchegante.
Passo a seguir-te.

Bjs